© Estelle Valente

CLÁUDIA GAIOLAS – Antiprincesas: Carolina Beatriz Ângelo

Artista convidada: CLÁUDIA GAIOLAS
30 NOV, Centro Escolar da Luz, Lagos

No ciclo de espetáculos Antiprincesas, Cláudia Gaiolas fala também de mulheres portuguesas que marcaram a história. Carolina Beatriz Ângelo, médica e feminista portuguesa, foi a primeira mulher a votar no país, em 1911. A lei afirmava que só podiam votar cidadãos maiores de 21 anos, que soubessem ler e escrever e fossem chefes de família. O facto de ser viúva e ter de sustentar a sua filha permitiu-lhe invocar em tribunal o direito de ser considerada “chefe de família”.

Direção e interpretação Cláudia Gaiolas
Assistência de direção Keli Freitas
Dramaturgia Alex Cassal
Cenografia Carla Martinez
Figurinos Ainhoa Vidal
Desenho de luz Daniel Worm
Sonoplastia Teresa Gentil
Produção executiva Armando Valente
Encomenda São Luiz Teatro Municipal, EGEAC – Programação em Espaço Público
Coprodução Teatro Municipal do Porto, Teatro meia volta e depois à esquerda quando eu disser


Cláudia Gaiolas é criadora e intérprete formada na ESTC – Escola Superior de Teatro e Cinema. É artista associada do Teatro Meia Volta e Depois à Esquerda Quando Eu Disser. Foi fundadora do Teatro Praga e trabalhou com diversos coletivos e artistas ao longo de mais de 20 anos.
Encenou A partir de amanhã  (Teatro Maria Matos) e  A Mulher que Parou com Pedro Carraca (Alkantara) com  textos de Tiago Rodrigues. Encenou Os Terroristas, Solo Doméstico e Não sou só eu aqui, este com Rita Rio (Festival Materiais Diversos). Cocriadora de TryRomance (Tryangle, Marselha),  O Grande Livro dos Pequenos Detalhes (Oi Futuro, Rio de Janeiro) e As Três Sozinhas com Anabela Almeida e Sílvia Filipe (TNDM II)