© Márcia Lança

MÁRCIA LANÇA – É como se isto pudesse ser outra coisa

Artista Convidada: MÁRCIA LANÇA
Atelier #1 - 23 > 27 JAN 2023
Atelier #2 - 06 > 10 MAR 2023
Atelier #3 - 29 MAY > 2 JUN 2023
E.B. 2.3 Naus, Lagos

Olhar para uma coisa é abrir a possibilidade de ver essa coisa e todas as outras coisas que ela tem em si como potência. Quando pergunto o que há nisto, refiro-me às propriedades da coisa, ao que ela tem e não ao que ela é. Vejo a coisa ou a situação ao mesmo tempo que posso ver tudo o que ela poderia ser, num exercício de extrapolação do sentido. A possibilidade de imaginar é em si devir do ver, do tornar visível, do revelar.

Vamos agarrar em fragmentos de mundos para os deslocar no tempo e ressignificá-los fazendo-os explodir em diferentes direções e sentidos. Vamos ficcionalizar o presente a partir da escuta do lugar onde nos encontramos, das coisas que nos rodeiam, das relações entre coisas e situações, de nós próprios e das nossas relações com outres. Criaremos também acções, situações, gestos, falas, para serem vistas por parte do grupo e, que possam alimentar ficções.

Neste exercício de ver, traduzindo o que há em outras imagens possíveis, criaremos relatos ficcionais em colectivo. O resultado será um livro auto-publicado escrito a muitas mãos.

Este projecto marca o regresso da artista Márcia Lança ao Gymnasium num trabalho que irá realizar ao longo do ano lectivo de 2022-23 com uma turma do 5º ano da EB23 Naus estruturado em 3 momentos distintos.


Márcia Lança fundou a VAGAR em 2008 da qual é directora artística. Destaca, como criadora, os trabalhos: Outro lado é um dia (2021) e a derivação É Só Um Dia (2022) com Carolina Campos, Dentro do Coração (2019), NOME (2017) com Carolina Campos, Por esse Mundo Fora (2016) com Nuno Lucas, Evidências Suficientes para a Não Coerência do Mundo (2014), Happiness and Misery (2014), 9 Possible Portraits (2014) com Ana Rita Teodoro, O Desejo Ignorante (2011) com Aniol Busquets e Tiago Hespanha, Trompe le Monde (2011) com Nuno Lucas, Morning Sun, Mecânica 1 e Mecânica 2 (2009-11) com João Calixto. Em 2006 recebe o primeiro prémio do Programa Jovens Artistas Jovens com o solo Dos joelhos para baixo. Colabora com o artista João Fiadeiro na investigação e desenvolvimento da Composição em Tempo Real desde 2003. Licenciada em Antropologia pela FCSH-UNL. Foi Co-curadora do PACAP 5 – Fórum Dança em colaboração com Carolina Campos, Daniel Pizamiglio e João Fiadeiro.